Papa modifica catecismo e declara pena de morte inadmissível

Por AP, Por Estadão Conteúdo

O papa Francisco decretou nesta quinta-feira, 2, que a pena de morte é inadmissível em todas as circunstâncias e que a Igreja Católica deve trabalhar para seu fim. Francisco aprovou uma mudança no Catecismo da Igreja Católica – a compilação do ensino católico oficial – para dizer que a pena capital constitui um “ataque” à dignidade dos seres humanos e e não há justificativa para execuções patrocinadas pelo Estado.

Anteriormente, o catecismo dizia que a igreja não excluía o recurso à pena capital “se esta fosse a única forma possível de defender efetivamente vidas humanas contra o agressor injusto”. O novo ensinamento, contido no Catecismo Nº 2.267, diz que texto anterior está desatualizada, que existem outras maneiras de proteger o bem comum e que a Igreja deve se comprometer a trabalhar para acabar com a pena de morte.

Há muito que Francisco se queixa contra a pena de morte, insistindo que nunca poderá ser justificado, por mais hediondo que seja o crime. A defesa dos encarcerados é um dos pilares da vocação do papa e ele também se opõe a sentenças de prisão perpétua, as quais chamou de penas “ocultas” de morte.

Em quase todas as viagens ao exterior, Francisco visitou os presos para oferecer palavras de solidariedade e esperança, e ele ainda mantém contato com um grupo de presos argentinos aos quais ele ministrou durante seus anos como arcebispo de Buenos Aires.

Ele disse nesta quinta-feira, 2, que “há uma crescente conscientização de que a dignidade da pessoa não está perdida mesmo após a prática de crimes muito graves”. Novos sistemas de detenção e sanções foram desenvolvidos para não privar os culpados da possibilidade de redenção, acrescentou.

“Consequentemente, a igreja ensina, à luz do Evangelho, que a pena de morte é inadmissível porque é um ataque à inviolabilidade e dignidade da pessoa e trabalha com determinação para a sua abolição em todo o mundo”, diz o novo texto, que foi aprovado em maio, mas publicado apenas na quinta-feira.

A pena de morte foi abolida na maior parte da Europa e da América do Sul, mas ainda é praticada nos Estados Unidos e em vários países da Ásia, África e Oriente Médio.

Alguns na mídia social questionaram o momento do anúncio, uma vez que o Vaticano e a Igreja Católica estão novamente sob o fogo das acusações de abuso sexual clerical e como bispos em todo o mundo o encobriram por décadas. A Igreja dos EUA, em particular, está sofrendo com as acusações de que um dos mais proeminentes cardeais dos EUA, Theodore McCarrick, supostamente abusou de menores e de seminaristas adultos.

Deixe sua avaliação

- Anuncie Aqui -