Vamos escolher o melhor enquanto ainda há tempo!!!

Olá nobríssimos deste punhado de tempo, inicio esta nossa participação de hoje fazendo uma pergunta muito séria inclusive pra você que nos acompanha todas as semanas: o que ainda será necessário acontecer para que aqueles que se dizem ou que são tidos como líderes religiosos parem de se preocupar com a contaminada e podre política e outras coisas mais que acontece aos quatro cantos do mundo, e passem a verdadeiramente arrebanhar almas para o Reino de Deus, anunciando que o fim está realmente acontecendo? Sim, dizer que está faltando somente – isto para os salvos, é claro -, ver o Senhor Jesus descendo entre as nuvens para arrebatar a Sua igreja.

É claro que não devemos cruzar os braços e deixar que o mundo se exploda, pois literalmente tem certos administradores de alguns países que já passaram dos limites. Um exemplo quase que em nosso quintal é a barbárie que assola o nosso vizinho país, Venezuela. Lá mesmo neste país que deveria haver uma intervenção mundial para acudir o povo que não falta muito para começar a se alimentar com a carne humana de pessoas que estão morrendo nas filas de hospitais e quando não em suas próprias casas morrendo de fome. Sim, pois segundo fontes que nos informam, os animaizinhos de estimação já estão sendo sacrificados para que o povo se alimente. O que se dá a entender é que a última preocupação humana nos dias atuais é para com as pessoas, os nossos irmãos.

Repito: a preocupação deveria ser muito maior do que temos visto nas igrejas em relação ao final dos tempos. Vem comigo, vamos recapitular apenas um cadinho das atrocidades que acontecem inclusive em nossos quintais. Vejamos que nos últimos tempos o planeta vem sofrendo grandes intervenções da natureza. Essas manifestações chocam a maioria das pessoas pela intensidade e frequência com que vem ocorrendo atualmente. Principalmente, as pessoas que já leram, releram e estão lendo novamente o trecho Bíblico da predição do Nosso Senhor Jesus em relação ao que deveria acontecer nos dias que antecederiam a Sua volta. Vejam por exemplo, no Brasil, a Amazônia que detém 20% da água doce da terra, sofreu em tempos recentes uma grande seca. Já em contrapartida em anos recentes choveu muito no Vale do Itajaí, no estado de Santa Catarina, o que deixou muitas pessoas sem moradia, famílias inteiras perderam suas vidas.

No Nordeste, na década passada, mais enchentes e muitas cidades arrasadas. Nesta mesma época no Rio de Janeiro duas grandes tragédias. A primeira ocorreu em 2010 quando um grande deslizamento de terra levou abaixo o Morro do Bumba.  Como se não bastasse, em 2011 mais um desastre de maiores proporções atinge o estado; os municípios de Nova Friburgo, Teresópolis, Itaipava e Petrópolis foram duramente castigados pela enxurrada, sendo esta a maior tragédia já ocorrida no país.

E saindo um pouco do Brasil, mais precisamente no dia 11/03/11, o Japão foi literalmente abalado por um terremoto, com 8,9 graus de magnitude na escala Richter. Foi o mais forte terremoto registrado no Japão e o sétimo na história do mundo. Na sequência uma onda (tsunami) com mais de 10 metros de altura invadiu a pequena cidade de Sendai, ceifando centenas de vidas. Os fortes abalos atingiram a Usina Atômica de Fukushima, deixando as autoridades preocupadas com a possibilidade de vazamento de radiação. É impossível não lembrar!

Nos aproximemos das atrocidades mais recentes que ainda estão com o seu cheiro no ar, dito popular. No ano passado, 2017, foi o ano mais caro da história dos Estados Unidos, em termos de catástrofes naturais. Segundo o relatório da Agência Norte-Americana para os Oceanos e a Atmosfera (NOAA), os desastres que aconteceram ao longo do ano, com destaque para os incêndios na Califórnia e para os furacões, fizeram estragos orçados em cerca de 306 milhões de dólares. Este número pulverizou o recorde anterior, de 215 milhões, estabelecido em 2005, ano do furacão Katrina.

Ao longo de 2017, os Estados Unidos viveram 16 catástrofes naturais que custaram horrores aos cofres da Terra do Tio Sam. Se o Katrina, que devastou Nova Orleans há 13 anos continua a ser o desastre mais custoso de sempre, os números dois e três da tabela são agora ocupados pelo Harvey e pelo Maria, dois furacões que atingiram território norte-americano durante o ano de 2017. Os cientistas apontam a poluição da atmosfera como o principal fator por detrás das mudanças climáticas que estão, em grande medida, na origem destes desastres naturais.

E em meio a todos esses fatos que são apenas um cadinho daquilo que está acontecendo e matando pessoas aos punhados, não vejo lideranças se mobilizando para anunciar que se uma catástrofe destas vier a acontecer em nossa casa e nos tirar a vida, e que se não tivermos com o nosso nome escrito no Livro da Vida, as pessoas vão direto para o colo do capeta e suas respectivas almas arderão para todo o sempre no fogo do inferno.

Vejo sim estudiosos tão somente com justificativas de seus tempos de escola para abonarem seus diplomas dizer que: “A verdade é que as catástrofes vão continuar acontecendo e sempre serão uma ameaça para a humanidade, até o momento que nós resolvermos reagir, respeitando mais a Natureza, afinal, parece que as opiniões são unânimes e os grandes culpados pela fúria da Mãe Natureza somos nós mesmos. Talvez essa seja a hora de admitirmos que falhamos ao querer dominar e mudar o mundo, e aprender com os nossos erros. Preservar é preciso para continuarmos a viver com a tranquilidade que desejamos”.

É claro nobríssimos que tudo isso que até aqui dedilhamos nesta que chamamos de abençoada participação já era minunciosamente esperado pelo Autor e Consumador da vida. Há quase dois mil anos atrás Jesus já deixou dito, e eu mais uma vez repito: “Bíblia, Livro de Mateus, capitulo 24”, porém o ser vivente chamado de humano, criatura Divina,  prefere confiar na sorte, deixar tudo pra lá, apostando em um caminho que com certeza é sem volta, o fogo do inferno, o colo do capeta. E enquanto aqueles que lideram as grandes igrejas se preocupam em eleger os seus respectivos candidatos, nós atalaias de Deus continuaremos aqui com nosso trabalho batendo na tecla salvação, vida após a morte. Deixo aqui uma afirmação coerente de que mesmo todas as igrejas elegendo seus respectivos candidatos não somará o número necessário no Congresso para a solução dos problemas. E mesmo fazendo a maioria no dito Congresso não conseguiriam interceptar aquilo que está escrito e já acontece diante dos nossos olhos “O Fim dos Tempos”.

E domingo nós também estaremos cumprindo nosso dever de cidadão, votando para o Capitão, mantendo o foco de renovação do Congresso Nacional dizendo não a reeleição e aos filhos dos raposões. Um forte abraço e viva O Senhor Jesus!!!

Deixe sua avaliação

- Anuncie Aqui -