Desgaste da política se acentua após 2013, dizem analistas

Por Fabio Leite, Luiz Raatz e Alex Tajra, especial para AE, Estadão Conteúdo

Mais de um milhão de pessoas tomaram as ruas de 75 cidades do País em 20 de junho de 2013, no ápice de uma crise que começou com uma série de protestos contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo. Com o reajuste revogado na véspera, aquela noite viu os gritos “Sem partido!” tornarem-se a marca do movimento difuso, numa inédita rejeição à política tradicional que rende consequências cinco anos depois, às vésperas de uma eleição presidencial.

Analistas ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo avaliam que a ruptura entre a sociedade e os políticos que explodiu em 2013 criou um descrédito generalizado com a política, que, em outubro, pode beneficiar candidatos com personalidade forte, com a imagem ligada à autoridade e à ordem, como Jair Bolsonaro (PSL) e, em menor medida, Ciro Gomes (PDT).

Para o cientista político Marco Aurélio Nogueira, partidos e governos, à direita e à esquerda, perderam com as jornadas de junho. Eventos subsequentes, como a Lava Jato, as promessas do segundo governo Dilma e seu impeachment ampliaram esse processo de descrença. A popularidade do discurso anticorrupção, por sua vez, aprofundou a rejeição à política tradicional.

“O Bolsonaro é quem tira mais vantagem dessa situação. Ele se apresenta acima dos partidos e suas soluções para os problemas do País passam pela força e pela autoridade para garantir a ordem”, diz Nogueira. “No caso do Ciro, há elementos parecidos. Eles representam um centralismo, a figura do presidente forte.”

Esse cenário para 2018 começou a se desenhar quando manifestantes de uma sigla pouco conhecida – Movimento Passe Livre (MPL) – decidiram ir às ruas contra o aumento de R$ 0,20 nas tarifas de ônibus e metrô de São Paulo, em junho de 2013. O professor Diego Soares, de 29 anos, era um deles e lembra que o grupo jamais imaginou que seus atos pudessem ganhar tamanha dimensão. “As manifestações só tomaram aquela proporção depois que houve o ataque da polícia.”

Soares se refere à noite de 13 de junho, quando a Tropa de Choque feriu manifestantes e jornalistas com balas de borracha. “Não posso negar que pode ter havido casos pontuais de excesso dos policiais, como teve muito excesso por parte dos manifestantes”, justifica o coronel Benedito Roberto Meira, comandante da PM de São Paulo à época.

A repressão policial potencializou o movimento e ajudou a espalhar os protestos pelo País. Acuados, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) revogaram o reajuste do transporte. Em Brasília, a então presidente Dilma Rousseff e o Congresso anunciaram um pacote de medidas, como tornar a corrupção crime hediondo. Em agosto, o Congresso aprovaria a Lei da Delação Premiada, que abriu caminho para a Operação Lava Jato, que mudaria o quadro político do País.

A vitória na tarifa e a profusão de demandas entre os manifestantes, inclusive com cartazes pedindo intervenção militar, afastaram o MPL das ruas. “A direita tentou sequestrar as pautas e muita gente que começou a se politizar naquele momento pode ter sido influenciada por essas pautas”, diz a estudante Anna Silva, de 20 anos, do MPL.

Lava Jato

Para Lara Mesquita, cientista política da FGV, o crescimento da popularidade de Bolsonaro tem apoio em movimentos que ganharam força em 2013. “A direita eleitoral ficou mais organizada e ganhou visibilidade a partir das jornadas de junho.”

O vácuo deixado pelo MPL, aliado ao avanço das investigações da Lava Jato fizeram com que outros grupos surgissem em 2014 sob a bandeira de combate à corrupção e contra o governo do PT, como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua.

“A Lava Jato ajudou a sociedade a desconfiar dos políticos, apesar de não haver relação direta com 2013”, ressalta Nogueira. “E a operação tem uma importância na reação cívica à política. Ela não separou os bons políticos dos maus políticos e tratou todos como suspeitos.”

O desgaste da política tradicional não terminou com o impeachment. Após assumir a Presidência, Michel Temer foi denunciado duas vezes por corrupção e salvou-se no Congresso. Derrotado em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) tornou-se réu na Lava Jato e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi preso.

Em resposta, partidos mudaram de nome – o PMDB virou MDB – e surgiram siglas como Podemos e Avante. “Essa tentativa dos partidos de maquiar os nomes é também uma consequência de 2013”, diz o cientista político Rubens Figueiredo. Esse quadro projeta para 2018 uma eleição com 11 pré-candidatos, em partidos enfraquecidos e impopulares. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua avaliação

- Anuncie Aqui -